sábado, 31 de março de 2012

Outra vez o espanhol

Espanhol - olha ali aquela tão gira. E anossa colega que está muy guapa e a que vai a atravessar a estrada também não está mal.
Eu - epá, mas tu estás "salido"ou quê?
Espanhol - Yo??? Siempre! Desde que me despierto hasta que me acuesto. Y creo que mientras durmo tambien, que as veces acordo ya de una manera...

quinta-feira, 29 de março de 2012

Deslarguem-me

Quem me conhece sabe que, nunca tendo sido magra, nunca fui pessoa de me preocupar com o assunto. Nunca dispensei a minha Coca-Cola com todo o açúcar, nem a minha massinha com natas. Quem me conhece ainda melhor, sabe também que nunca precisei de escuridão paar esconder uma pancinha.
Isto são muitos anos a viver bem com a coisa, apenas interrompidos, muito recentemente, no momento de escolher roupa antes de sair de casa.
Isso não significa que não tenha espelhos em casa, que não conheça as soluções e não saiba perfeitamente o que fazer para parar de comprar roupa um numero acima.
Ando com um pozinho às setenças dos outros que nem vos conto. Desde que me mudei para a Irlanda que toda a gente tem um conselhozinho para dar, mesmo para aquilo que nunca se tenha apresentado como um problema. Onde devo viver, como fazer amigos, como tratar da cadela, and so on, so on. E eu, como qualquer mártir que se preze, acho sempre que ninguém me compreende, que não viveram no estrangeiro, ou não viveram sozinhas no estrangeiro, ou não tiveram os obstáculos que eu tive, que ate se podem ter em todo o lado, mas no estrangeiro é pior. E apetece-me logo mandar toda a gente à merdinha. No tema peso nem vos falo.
A frustração é minha, não é a vossa. Sou eu que vejo esta imagem reflectida no espelho todos os dias, sou eu que me deito na cama para abotoar as calças, sou eu que tenho um calo no dedo, de forçar fechos eclair.
Sou eu que tenho medo de me relacionar com alguém e destapar a celulite que se alojou em todo o lado, excepto na cara e nos pés, onde também não deve tardar.
Sim, arranjo desculpas, que bebo alcool para sociabilizar, que dei uma dentada no bolo, porque não sei o quê, que não faço mais desporto porque o cabrão do PT mandou levantar os braços, a blusa subiu, vi a pancinha fofinha reflectida no espelho e tive vergonha, ue não é facil fazer sopa de dois em dois dias e muito menos preparar o almoço para o dia seguinte todos os dias.
Sim, o nome disto é falta de motivação e desleixo e sim, também sei que para além da estética, há a saúde.
EU SEI ESSA MERDA TODA!
Por isso, a menos que tenham uma solução verdadeiramente milagrosa, que não passe por só comer verdes ou proteínas ou outra porcaria qualquer que não seja a minha massinha ou que faça suar as estopinhas, escusam de vir com sentenças.

Afinal não é mito

Há mesmo telefones que só recebem chamadas.
O dele é um desses.

Mariquinhas pe de salsa

O meu pai conta que, acabadinhos de nascer, pegou em mim e no meu irmao, de uma forma dificil de descrever, mas que, em resumo, poderia dar uma sensacao de pouco suporte ao bebe.
Com o meu irmao a coisa passou-se bem, sem problemas, bebe contente, papa ainda mais.
No meu caso, parece que eu nao achei la grande piada a falta de suporte e comecei logo a tremer cheiinha de medo, refutando assim, as mil e uma teorias psicologicas de que a crianca so tem medo e nocao do perigo a partir duma certa idade. Eu estava ali acabadinha de nascer e ja cheiinha de medo, para nao dizer outras coisas.
Acho que, embora o meu pai nao tenha bem essa nocao (ou, pelo menos, nao a verbaliza), esta historia me define. Por completo.
Acho que e’ uma das minhas caracteristicas mais fortes e o meu maior defeito: sou uma medrosa do pior.
Dizem que o medo e’ um instinto para nos alertar sobre predadores e outros perigos presentes nessa epoca das cavernas. E que, portanto, pode ate ser bem salutar. Mas no meu caso nao o e’.
Por ter tanto medo de conduzir e do que se move a volta do meu carro, esqueco-me de por uma mudanca, por ter tanto medo de dar um toque, nao consigo estacionar, por ter medo de magoar, nem sempre digo a verdade, por ter medo de falhar, muitas vezes, nao dou um passo.
Muitos dizem que fui uma pessoa de coragem ao vir viver para o estrangeiro, sozinha e completamente as escuras. E eu, quando oico dizer isto, sinto-me uma completa frauda. Nao sei bem de que, mas se vim, concerteza que tera sido para fugir de algo.
Assim como fugir foi a solucao encontrada para um problema que me ocorreu aqui.
O medo ou nos petrifica ou nos leva a fazer tudo ao contrario. E e’ num desses momentos em que estou agora. Se por um lado, adormeco extasiada pelo numero de possibilidades qe me pode oferecer esta nova situacao, por outro, acordo ja a pensar em tudo o que pode correr mal, como, quando e porque.
Podia tentar combater esta irracionalidade que, as tantas, se torna demasiado racional, mas la esta, combater diz que e’ sinonimo de coragem eisso nao abunda por aqui.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Algo nunca pensei vir a dizer, estando na Irlanda

Hoje apanhei demasiado sol.

Pérolas do meu colega espanhol

- não sei como é que se diz em espanhol, em português, eu diria que ela está carente;
- en español, se dice que está salida.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Em dia

Desengane-se quem pensa que a ausencia verificada se deve a falta de assunto. Nao, nao esta tudo na mesma, obrigada.
Fui descoberta por uma numerosa familia portuguesa que vive na minha rua, cujo objectivo de vida eh alimentar boca alheia. Tenho sido alimentada a feijoada, pasteis de bacalhau e bolos e mais bolos, cheios de doce de ovos. A dieta foi para o galheiro. Dos 3 kilos perdidos, ja recuperei dois e a roupa continua a encolher.
Ainda antes deste descalabro, resolvi procurar uma nutricionista ca. A gaja e boa, mesmo muito boa e a minha carteira ja emagreceu bastante, desde entao. O plano da dieta eh, digamos interessante. Proibe o azeite, mas em contrapartida poe-me a comer (era o punhas, que eu ca nao consigo seguir aquela merda) ovos ao pequeno almoco, com bacon, mas sem a cena branca (muito melhor). A nutri fofinha eh uma fixolas e permite a ingestao de alcool. Parece que, na Irlanda, se se beber muita agua, tipo dois litros, ja se pode beber alcool. Diz que a agua lava o alcool. As minhas ressacas melhoraram consideravelmente.
A familia portuguesa, oriunda do profundo Porto, fez-me ter toda uma nova perspectiva, relativamente a essa coisa de nao perceber a pronuncia irlandesa. piece of cake, depois de perceber que ha todo um dialecto portugues que desconhecia por completo, carago.
Descobri tambem que o meu mercado sao os franceses lunaticos. Resmas deles, resmas. Pronto, sao so dois, mas qual era a probabilidade? Um nao se cansa de me convidar para ir ver rugby e outros desportos deveras interessantes, enquanto o outro filosofa. Pergunta-me quais sao as minhas paixoes na vida, acreditando que eu devo ter algum tesouro escondido que me faca transformar numa pessoa interessante. Ja ele, eh a versao feminina da Jess, da serie New Girl, cantando uma musica sempre um novo topico eh iniciado. "initial tooooopiiiic, laralarala".
Perdi o raio dos acentos outra vez, desde que actualizei omsoftware do gadget qe uso para escrever estas tretas para a posterioridade, o que eh uma seca e faz usar h's para esta porcaria ter algum sentido. E eh isso, a culpa eh dos acentos e nao disto naonter qualquer sentido em lingua nenhuma (ja tentei em frances, mas tambem tem muitos acentos).

quarta-feira, 14 de março de 2012

A que faltava

Eu: hoje ligaram-me uns head hunters.
Mae: quem é o Zé Dantas?

domingo, 4 de março de 2012

O meu fim de semana

Sair à noite na sexta, teria sido uma boa ideia, não fosse dar-se o caso de ter aulas de inglês no dia seguinte. Sobretudo se nessa aula, o professor decidir que, em vez de fazer exercicios e falar de cenas que não interessam ao menino Jesus, como é habitua, essa é uma boa aula para nos pôr a ver um documentário sobre linguistica. Ou se nessa aula a puta de espanhola não decidir abrir uma guerra connosco, conseguindo o feito de dividir toda uma turma. Quando dei por ela, estava metade da aula a discutir com outra metade quem tinha razão, eu ou ela. E qual era o tema da discussão? O que era mais importante na aprendizagem de uma segunda lingua, "fluency ou accuracy"? WTF?
Sair à noite num Domingo poder-se-ia dizer uma experiência deveras interessante, não fosse dar-se o caso de deixar um raio dum ovo a cozer, para o almoço do dia seguinte (daí o esquecimento, que quando a fome aperta não há cá esquecimentos),
Beber duas cervejas a um domingo, também poderia ser uma boa ideia, não tivesse eu que chegar a casa e ter que limpar ovo do tecto. Ou não tivesse eu decidido que o frigorifico precisava de uma limpeza e que tinha mesmo que deitar fora o frasco de vidro de concentrado de tomate e que a melhor forma de o fazer era, atirá-lo, literalmente, para o caixote de lixo. Tudo o que eu precisava para o fim de semana acabar em beleza, era ter que limpar tomate de todos os cantos da cozinha ou que os vidros do frasco rasgassem o saco de lixo, que posteriormente decidi tirar do caixote para ir pôr à rua, sem me aperceber desses efeitos colaterais. Limpa que só te faz bem!
Ufa, ainda bem que amanhã é segunda!

Mão cheia

Pôr um ovo a cozer e ir para a boa-vai-ela não é uma boa ideia.
Alguém sabe como é que se descola ovo do tecto?

Num facebook perto de si

Ela: meu amor, amo-te muito, és o melhor dos meus dias, blablabla, pardais ao ninho e muita lamechise
Ele: és deveras encantadora.

sábado, 3 de março de 2012

Venha o diabo e escolha

Não sei o que é pior, se chamar daughter à cadela, em vez de dog, se encontrar a veterinária num pub e achar que é a minha médica.

sexta-feira, 2 de março de 2012

Eu explico

Àquele que aqui veio parar, através da busca no google "na Irlanda fode se?".
Eu nunca vi, mas já ouvi contar. Diz que sim. Tenho em crer que em qualquer sitio em que haja seres humanos ou animaizinhos, sempre há dois ou três que se lembram de experimentar a coisa.
Se a pergunta fosse "com qualidade", "à bruta", ou "à lá castelo branco" já não saberia responder com precisão. Mas se é só isso que interessa, fica já esclarecido. Pode vir.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Sou fresca, sou

A vantagem dum flirtzinho inocente no trabalho, é que a pessoa vai logo com outra alegria para o trabalho. Cuida-se um bocadinho mais e até leva melhor a dieta, só para caber naquela saia, mesmo gira, que ficava tão bem, há 10 kilos atrás. A pessoa levanta-se num àpice, pela manhã, só para escolher a camisa que ainda serve, secar o cabelo, tapar olheiras e ainda ter tempo para borrifar um perfumezinho.
Chega ao trabalho com um sorriso, cruza-se no corredor, pisca o olho, sorri, ouve elogio, volta para o lugar toda contente e até escreve um mail á chata da Maria da contabilidade com outra disponibilidade.
Vai ao cafezinho antes da reunião, troca umas indirectas, e embalada pelo espirito até atira com umas piadas, na tal reunião.
Os outros à volta, apreciam o bom humor, mandam-nos os números mais depressa, tiram-nos dúvidas com outro gosto e até vão ao google tradutor, descobrir thank you em português.
A grande desvantagem do flirt no trabalho são as férias. Devia incluir-se no código do trabalho que todo o trabalhador que inicie flirt no trabalho, passa a ter que informar o outro das suas férias e outras ausências. Não seria necessária nenhuma troca de números de telefone no flirt inocente, não fosse dar-se o caso de ser necessário informar que se está doente.
É que é chato, chegar e ver a cadeira vazia e era escusado o trabalho de passar a ferro nessa manhã e sempre se evitava esse mau humor.

Duas vezes

Um dos conselhos que me deram quando decidi ter um cão, foi ter cuidado, pois tudo aquilo que fizesses duas vezes, Miss Balti ia achar que era para sempre.
E eu tenho tido sempre esse cuidado, fazendo duas vezes de seguida o que me convém, como dar biscoito sempre que dá a patinha, levá-la á rua assim que acordo, ainda em pijama, para não dar tempo à menina, que acorda sempre aflitinha, para fazer algo dentro de casa. O que não me convém, nem uma fez faço, de modo a que ela nem entenda que a coisa existe, tipo dar-lhe da minha comida quando estou a comer ou mostrar-lhe o que é estar em cima da minha cama.
Para habituá-la aos passeios mais longos, não fugi à regra e levou logo com umas quantas vezes de seguida, embora, agora, só o façamos 3 vezes por semana (nos outros dias, também passeamos, mas menos tempo e num passo mais tranquilo, escusam de vir cá com coisas). A Balti nunca quer fazer esses passeios mais longos. Sai à dona e por ela, no sofá é que estava bem. E como eu me equipei mais de duas vezes de seguida para esses eventos, a magana, já percebe quando é que é dia e faz fita para sair de casa, tendo que sair muitas vezes ao colo até à porta da rua.
Aqui há tempos, depois de um dos passeios mais curtos, enquanto alapava esse grande senhor que é o meu rabo, no sofá, achei que a Balti ainda estava muito excitada e com energia para gastar. E assim, decidi atirar-lhe um brinquedo para ir buscar, sem sequer me levantar do sofá. Repeti a acção enquanto foi divertido para as duas.
Uns dias depois, porque achei que estava aborrecida, sem me lembrar da primeira vez, fiz o mesmo.
E agora? Agora, ainda estou só a aproximar-me do sofá, já a tenho de boneco na boca, à espera. Sabem aqueles dias em que só apetece chegar a casa e ver uma serie bem estúpida, descansadinha no sofá? Os meus, actualmente, são passados a ouvir uma cadela mimada, que consegue ter o ladrar mais agudo à face da terra.

Bendito espanhol

Eu:  e aquela chica, e' muito guapa, nao achas?
Emilio: demasiado delgada.